Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 21 de março de 2011

Gestão Democrática aos olhos de Dinair Hora

Um texto maravilhoso que encontrei nos meus garimpos pela net. Espero que ele seja significante para meus colegas de curso, como é para  mim.                                                                                                                                      Democratização das relações na escola: o significado do trabalho coletivo
“A participação coletiva na gestão escolar é uma das vias mais legítimas para a melhoria da qualidade do ensino e da consciência crítica da realidade social para a construção de uma escola verdadeiramente pública”

Dinair Leal da Hora*
Nas discussões a respeito de gestão democrática na escola é comum ouvir manifestações de que esta é uma prática quase impossível de adotar, haja vista a hegemonia de posturas autoritárias que ainda encontramos nos processos de gestão educacional no Brasil e pelo reduzido valor que os sujeitos escolares atribuem a essa forma de atuar. Neste texto apresento uma breve discussão a respeito dos significados que o trabalho coletivo democrático assume para professores, estudantes, direção, famílias e funcionários escolares. A construção da gestão democrática na escola é um processo. Ocorre com avanços e recuos, na medida em que pais, estudantes, professores e funcionários têm a oportunidade de opinar e decidir as ações e as relações educacionais e pedagógicas da instituição. O desenvolvimento desse processo pressupõe sua construção no cotidiano escolar, o que não dispensa a necessidade da reflexão permanente a respeito dos obstáculos e das potencialidades que se apresentam na realidade concreta, haja vista que a democracia só se efetiva por ações e relações em que há coerência entre o discurso e a prática. Admitir a democratização das relações internas da escola como mediadora para a democratização educacional significa considerá-la sine qua non, porém não a única. Há que se considerar os determinantes econômicos, sociais, políticos e culturais mais amplos que agem em favor da tendência autoritária enfrentados como manifestação, num espaço restrito. Para que haja a conquista da participação efetiva dos sujeitos sociais na gestão da escola é preciso que haja condições que propiciem essa participação. A participação de professores, alunos, pais e funcionários na organização da escola, na escolha dos conteúdos a serem ensinados, nas formas de administração será tão mais efetivamente democrática, na medida em que esses sujeitos sociais dominem o significado sócio-político de suas especificidades numa perspectiva de totalidade. Assim, é possível afirmar que:
a) para a comunidade, participar da gestão de uma escola significa inteirar-se e opinar sobre assuntos para os quais muitas vezes se encontra despreparada; significa todo um aprendizado político e organizacional (participar de reuniões, emitir opiniões, anotar, acompanhar, cumprir decisões); significa mudar sua visão de direção da escola, passando a não esperar decisões prontas para serem seguidas; significa, enfim, pensar a escola não como um organismo governamental, portanto externo, alheio, e sim como um órgão público que deve ser não apenas fiscalizado e controlado, mas dirigido pelos seus usuários;
b) a direção vê-se colocada diante de tarefas eminentemente políticas, pois assume o papel de dirigente técnico e político. A abertura não acontece para um todo homogêneo e sim para uma população dividida, socialmente estratificada e ideologicamente diferenciada; significa lidar com inúmeras expectativas e projetos políticos diversos;
c) para os alunos, a principal mudança refere-se à sua relação com os professores e com a direção: assumir sua parte de responsabilidade na direção da escola e do processo pedagógico, deixando de esperar soluções acabadas e apenas a punição como saída; compreender que transitar na difícil fronteira entre liberdade e segurança exige um compromisso com o projeto educacional, com princípios e também com uma visão mais global e menos fragmentada da escola;
d) os professores, descobrindo, (re)descobrindo, inventando, formulando e aceitando novas premissas, preparam-se para, dialeticamente, analisar, comparar, estabelecer valores através dos quais avaliam as diferentes metodologias, mantêm-se atentos para apreciá-los em relação às posturas teóricas e em relação à sua prática e contexto, especialmente em situações nas quais a comunidade tem lugar específico para a construção do currículo.
O significado social da prática de cada um é capaz de desenvolver a autonomia e a criatividade na reorganização da escola para melhor propiciar a sua finalidade: a formação humana de homens e mulheres nas suas dimensões pessoal e profissional na perspectiva de contribuir para a democratização da sociedade pela democratização do saber.
Na medida em que consegue a participação de todos os seus setores – educadores, alunos, pais e funcionários – nas decisões a respeito de seus objetivos e de seu funcionamento, a escola cria melhores condições para enfrentar os escalões superiores, no sentido de apropriar-se de autonomia e de recursos. Será muito mais difícil dizer não de modo autoritário quando a manifestação é de um grupo que representa todos os segmentos e que esteja fundamentado pela conscientização que sua própria organização proporciona, reconhecendo a participação coletiva na gestão escolar como uma das vias mais legítimas para a melhoria da qualidade do ensino, da consciência crítica da realidade social para a construção de uma escola verdadeiramente pública.

Nenhum comentário:

Postar um comentário